Obedecendo às determinações do Código Civil, arts. 1.348 e 1.350, anualmente, os condomínios se organizam para realizar a previsão orçamentária, que é responsável por determinar o valor da cota condominial do ano seguinte. E além de precisar ser aprovada pelos moradores, a previsão orçamentária em condomínio deve ser elaborada com muito cuidado pelo síndico e administradores do empreendimento, até mesmo para não deixar nenhum ponto para trás.

Se você precisa fazer o planejamento orçamentário do seu condomínio para o próximo ano, mas não faz ideia por onde começar, continue lendo esse post. E fique por dentro dos 5 passos fundamentais da previsão orçamentária do condomínio. Confira!

Passo 1 – Previsão orçamentária em condomínio – Levante dados financeiros

Com o levantamento dos dados financeiros do condomínio, será possível ter o histórico de gastos e consequentemente a instituição dos valores adequados.

No levantamento, deve-se considerar todos os gastos do condomínio, como inflação, direitos trabalhistas dos funcionários, concessionárias e manutenções.

É recomendado também que esses gastos sejam divididos em gastos mensais e arrecadações futuras. Além disso, o levantamento dos gastos deve ser feito com o auxílio da empresa administradora em uma planilha.

Passo 2 – Considere os reajustes

Para realizar a previsão orçamentária do condomínio é importante também considerar os reajustes. Geralmente, o índice de correção utilizado nos contratos é o IGPM. E, conhecendo esse índice, o sindico deve pensar nos próximos vencimentos e reajuste de contratos.

Já em relação aos funcionários, o valor do reajuste pode variar de acordo com a região e profissão. Por isso é necessário que o síndico verifique o valor juntamente com os sindicados trabalhistas.

Passo 3 – Previsão orçamentária em condomínio – Pense na Inadimplência

A inadimplência é um problema comum nos condomínios. E, por ser comum de acontecer, é preciso também considerá-la na previsão orçamentária do condomínio.

O síndico tem como dever acompanhar os índices de inadimplência durante o ano, para assim evitar o crescimento desse índice. Ficando de olho no número de inadimplentes, o síndico evita a necessidade de reajuste do planejamento orçamentário e mantém em dia as contas do condomínio e dos moradores.

Passo 4 – Considere gastos emergenciais

A previsão orçamentária do condomínio é realizada justamente para ter controle dos gastos bem como evitar despesas extras. Porém, os gastos emergenciais podem ocorrer no futuro e, por isso, é necessário considera-los.

Ao fazer a previsão do orçamento, o ideal é não estipular uma margem muito apertada e nem extensa demais. Nesse caso, o recomendado é deixar uma margem como “suspiro” para eventuais problemas. Segundo especialistas, esse suspiro pode variar entre 4% e 5%.

Passo 5 – Previsão orçamentária em condomínio – Apresentar em assembleia

Nesse passo é importante que o síndico já esteja bem familiarizado com o planejamento orçamentário do condomínio, pois será necessário apresentar a previsão em uma assembleia.

Estando seguro com a previsão orçamentária, o síndico responderá de forma mais eficiente à pressão e sugestões dos moradores. A assembleia é importante também para que os moradores fiquem por dentro das contas do condomínio.

Além disso, a previsão orçamentária só pode ser aprovada com a maioria dos votos presentes. Caso não seja aprovada, o sindico pode chegar a um consenso com os condôminos para realizar as alterações necessárias na previsão orçamentária do condomínio.

Dica extra: Não use o Fundo de reserva!

O fundo de reserva é uma porcentagem cobrada sobre a cota condominial para garantir despesas futuras. Apesar de ser um dinheiro extra, é importante que o síndico e os moradores tenham em mente que o fundo de reserva não deve ser usado para cobrir as contas do mês quando elas ultrapassarem o orçamento.
Procure deixar sempre uma margem nas contas, pois assim você saberá como lidar com os gastos extras sem prejudicar outras questões do condomínio.

Autor: Karina Matos