O corte de gastos virou realidade para muitos funcionários, síndicos e fornecedores dos condomínios que estão no vermelho. As despesas precisam ser equilibradas para que os gastos não extrapolem o limite.

Por essa razão, para uma melhor economia e um aumento da estabilidade financeira do condomínio, algumas medidas precisam ser tomadas. Os síndicos e demais funcionários devem buscar alternativas para diminuir as despesas.

A crise na economia do país vem aumentando a cada dia mais a instabilidade de pagamento dos condôminos. É primordial nesse momento investigar maneiras para diminuir os gastos com mão de obra, energia, materiais e água.

É preciso fazer a analise dos gastos, já que quando ocorre a redução de despesa o risco e a probabilidade de surgir inadimplências por parte dos moradores, diminuem em até 90%.

Esse e outros pontos importantes são os principais motivos para começar a economizar nos recursos do prédio e levar em consideração as mudanças que podem reduzir os altos custos no final do mês.

Para tirar o condomínio do vermelho e repensar novas maneiras para equilibrar os gastos mensais, o artigo reuniu algumas dicas para cortar as grandes despesas no fim do mês.

7 dicas para cortar gastos e tirar o condomínio do vermelho

  • Individualização dos serviços de água e gás

Muitos condomínios não contam com sistemas que medem o consumo de água e gás por unidade de casas ou apartamentos.

Assim, pessoas que moram sozinhas acabam pagando o mesmo preço de consumo de famílias ou amigos que residem em mais de 4/5 pessoas. Com a implementação de um sistema individual é possível reduzir o consumo geral em até 45%.

  • Instalação de portaria virtual

Reduzir mão de obra é uma opção para quem deseja tirar o condomínio do vermelho e estabilizar as despesas do mês. Os custos de mão de obra podem ser de no mínimo 40% nos gastos.

Os sistemas informatizados e digitais estão sendo uma nova alternativa para reduzir esses custos, como a portaria virtual. Seus sistemas são controlados por empresas contratadas pelo próprio condomínio.

  • Implantação de sistemas informatizados e digitais

Do mesmo jeito que a portaria virtual, o sistema de biometria é uma aposta muito grande quando o assunto é investimento que gera economia. O objetivo principal é informatizar os sistemas condominiais e reduzir gastos.

O sistema de biometria necessita apenas do cadastramento digital dos moradores do condomínio, para que assim o sistema controle a entrada e saída dos mesmos, de modo mais seguro e simplificado.

Muitos condomínios reduziram gastos de até R$ 15 mil no mês em seus gastos após a instalação de sistemas automatizados.

  • Investir em energia solar

O uso de energia solar é a nova aposta dos últimos anos, ela possui um investimento caro, porém surpreendente á longo prazo. O retorno do investimento é estimado em 6 a 7 anos.

Os condomínios que apostam nas placas de conversão de energia solar como uma alternativa eficaz a energia elétrica, ou até mesmo placas de aquecimento solar, podem reduzir gastos e economizar até 80% nas contas de energia.

  • Água de reuso e reaproveitamento

A tecnologia chegou para invadir todos os cenários e otimizar muitos processos convencionais. É possível ter economia com a água de reuso, isto é, as águas de chuva e minas d’água que podem receber tratamento especializado e ser reutilizada.

Essa alternativa reduz muitos custos dos condomínios que possuem altas taxas de água no final do mês e tem que se deparar com inadimplências ou reclamações de condôminos insatisfeitos.

  • Trocar todas as lâmpadas por opções mais econômicas

As lâmpadas fluorescentes são as opções mais utilizadas por muitos condomínios pois são alternativas as lâmpadas incandescentes que gastam luz em níveis altíssimos.

Porém uma excelente opção no mercado, que possui preço mais elevado, porém uma economia certeira são as lâmpadas de LED. Ela é 90% mais econômica que a tradicional e a redução da conta de luz pode cair significantemente.

O investimento recuperado na substituição das lâmpadas de LED gira em torno de 5 a 8 meses.

  • Terceirização da mão de obra

As taxas mais altas dos condomínios giram em torno dos serviços prestados pelos funcionários. A terceirização é uma das soluções para esse problema á longo prazo.

O prédio pode fechar contrato com empresas que oferecem serviços mais econômicos na limpeza, portaria e jardinagem.

Conclusão

Essas foram as principais dicas para tirar o condomínio do vermelho e equilibrar as finanças do prédio e proporcionar melhor qualidade aos condôminos economizando.

Algumas medidas precisam ser tomadas para que o síndico, funcionários e moradores possam se ver livre de taxas gigantescas no final do mês.